29 abril 2014

[Sorteio] Quero assistir Divergente

Se já assistiu, mas quer ver mais uma vez ou ainda não teve a chance de saber como ficou a adaptação do livro Divergente nas telonas, esta é sua chance.

O Garotas de Papel e a Paris Filmes leva você e mais um acompanhante para assisti ao filme que já levou mais de 500 mil pessoas aos cinemas. 

Serão cinco sorteados e cada um leva um par de ingressos.

Para concorrer você deve compartilha (publicamente) a imagem do sorteio e curtir a fan page do Garotas de Papel e da Paris Filmes.

E clicar em Quero participar no seguinte link http:\\sorteiefb.com.br/tab/promocao/336758 

O sorteado tem três dias para responder o contato do Garotas de Papel com seus dados.

O sorteio é valido até dia 04/05 (Domingo).

Lendo e Resenhando: Uma Longa Jornada - Nicholas Sparks


Título: Uma Longa Jornada
Título Original: The Longest Ride
Autor: Nicholas Sparks
Páginas: 368
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580411959
Ano: 2013

O livro começa já com um acidente, envolvido nele está Ira Levinson um idoso de 91 anos, que sozinho e muito machucado começa a narra sua vida e de sua amada esposa Ruth.

Em outro ponto conhecemos Sophie, que saiu de um relacionamento e o que mais quer é distancia do ex, que não pensa da mesma maneira. Durante uma discussão do casal que começa a fugir do controle surge Luke Collins, um autentico caubói, para ajuda-la.

A pergunta que logo se forma é “O que esses duas coisas tem a ver uma com a outra?”, e página após páginas nem pude imaginar que elas se cruzariam de uma forma tão surpreendente.

Nicholas Sparks é conhecido por agradar muitos e desagradar outros muitos. Há quem diga que seus livros são sempre o mesmo do mesmo e por um lado isso não deixa de ser mentira. Mas uma coisa que ele consegue é que a cada livro que aborda temas como família, amor, esperança, fé e perdão continuam tocantes, sempre mais especial e deixando uma reflexão.

Uma Longa Jornada não foi à leitura mais empolgante que já fiz. Intercalando entre as memorias de Ira Levinson e a história de Luke e Sophia, algumas partes do livro foram bem maçantes e cansativas, preparem-se para longos capítulos e alguns com muito poucos diálogos.

Sparks sabe construir casais que sempre adoro e não foi diferente como Luke e Sophie. A combinação de um caubói que só estudou até o ensino médio e uma universitária prestes a se formar, casou perfeitamente. Luke é o cara dos sonhos, pode não ter muita coisa, mas sua dedicação à mãe e a fazenda onde vivi desde que nasceu é encantadora.

Pela primeira vez achei que não ia me debulhar em lágrimas com um livro do Nicholas, mas ele soube guardar tudo direitinho. Um segredo escondido por Luke, pode por tudo a perder em seu relacionamento com Sophie e também ao ler a narrativa do Ira vários momentos de sua vida são de emocionar.

O final me deixou aturdida, nunca imaginaria que duas histórias poderiam se cruza de uma maneira tão inimaginável e até me pergunto se uma coisa dessas pode acontecer de verdade.

Uma Longa Jornada também vai vira filme e os boatos que circula é que Chris Evans dará vida ao Luke e Kristin Kreuk, a Sophie, apesar de não identificar muito das características físicas da personagem nela, o jeito doce e rosto delicado da atriz são elementos importantes. A previsão do filme é para 2015, agora só resta aguardada.

Avaliação:




 

23 abril 2014

Lendo e Resenhando: Tentação Sem Limites - Abbi Glines


Título: Tentação Sem Limites
Título Original: Never Too Far
Páginas: 208
Editora: Arqueiro
Autora: Abbi Glines
ISBN: 9788580412451
Ano: 2014

Atenção: Essa resenha pode conter spolier caso não tenha lido Paixão Sem Limites.

Em Paixão Sem Limites pudemos ver que a vida de Blaire Wynn não é fácil, sua irmã gêmea morreu muito jovem, seu ex foi infiel e após sua mãe ficar muito doente, Blaire era a única pessoa que tinha para cuidar dela. Quando ela morre, com apenas alguns trocados no bolso, uma caminhonete velha e sua vida resumida a tudo que cabe nela, a jovem partiu em direção a Rosemary ao encontro do pai, mas lá encontrou Rush Finlay.

Apaixonada e pela primeira vez achando que a felicidade finalmente a encontrou, um cruel segredo acabou com tudo e o pior é que Rush foi a principal causa disso. Deixando tudo para traz novamente Blaire tenta recomeçar sua vida de volta ao Alabama, porém duas coisas a impedem, a primeira é que não deixou de amar Rush e a segunda é melhor ler para saber.

O que me conquistou em Paixão Sem Limites foi que Abbi Glines conseguiu construir um enredo viciante e sucinto, ela terminou o livro de forma que deixou o leitor roendo as unhas por mais o que criou uma grande expectativa por sua sequência. Gostei do que li, só que a personagem que mais admirava não conseguiu me conquistar mais uma vez.

Blaire tem uma descoberta inesperada logo no início e está disposta a seguir sua vida sem nunca mais por os pés em Rosemary, só que a única amiga verdadeira que fez por lá, Beth está determinada a levá-la de volta e por brincadeira do destino isso acaba acontecendo.

Rush está à cara da derrota desde que a amada o deixou e nem as festa, bebidas e mulheres, que antes costumava animá-lo o fazem mais, na verdade ele quer distancia dessa vida. Quando descobre que Blaire está de volta seu único objetivo é reconquistá-la e ter seu perdão.

Glines resolveu narrar esse livro pelo ponto de vista dos dois protagonistas, o que foi muito bom, porque Blaire não me agradou em nada nesse livro, tudo de melodramática que ela não foi no primeiro resolveu ser aqui e na situação dela achei que por mais que estivesse magoada com o Rush não justificava em nada pensar como pensava.

Já Rush foi o ponto alto adorei conhecer mais do ex-mulherengo e a intensidade do quanto ama Blaire, porém o protecionismo com a irmã Nan, me irritou. Graças a Deus ele se dar conta que de fato ela é uma mostrinha e que agora ele tem algo bem mais sério com que lhe dar do que com a caçula.

Apesar de a sinopse nós levar a crer que estamos diante de uma narrativa que será basicamente de Rush tentando reconquistar Blaire, não é bem isso o que ocorre. Blaire foi resistente, mas não teve como continua resistindo ao charme de Finlay.

Os personagens secundários como Woods, que terá seu próprio livro, Beth, Jace e Grant foram importantes, principalmente dos dois primeiros.

Vi muitos considerando esse melhor que o primeiro, mas achei que houve certa embromação e Blaire foi durante grande parte chata, nem a sombra da garota que aponta uma arma para outra pessoa. Parece que só quando está com o Rush à personagem funciona da maneira certa.

O livro tem um terceiro volume que dizem ser desnecessária, e sem título ainda não Brasil, e pelo que parece não será o próximo lançamento já que é deixado no final um trecho do livro do Woods, Twisted Perfect, que por sinal estou mega curiosa para ler.       

Avaliação:





Trilogia Sem Limites:
2 – Tentação Sem Limites
3 – Forever Too For (Não lançado no Brasil)

21 abril 2014

[Pipocando] Divergente



Depois de jogarem água no meu brinquedo e eu não ter ido à estreia, finalmente assisti Divergente.

A expectativa era grande, muito grande. Depois de meses e meses esperando, a sensação ao começar os créditos iniciais é de completo "MEU DEUS, estou assistindo ao que eu li". Órfã da saga Crepúsculo, estava em completo êxtase e sentido toda aquela ansiedade de novo e foi muito gosto.

Apesar da muita divulgação, principalmente nos EUA, Divergente começou sua jornada nas telonas da mesma forma que outras sagas em seu primeiro filme, optando pela simplicidade, de uma forma que agradasse quem leu o livro e que atraísse novos fãs.

Dirigido por Neil Burger, cujo outros filmes sempre esperava gostar, mas não me agradam muito como O Ilusionista (2006) e Sem Limites (2011), fiquei meio receosa. Mas entre cenas novas e cortes eis que Divergente é o primeiro filme dele que digo que realmente gostei e desejei ver novamente no mesmo dia.

As mudanças no roteiro foram positivas, algumas achei drásticas até mesmo cortes de alguns personagens o que me levou a pensar em como serão inserido no filme seguinte. Não quero usar o discurso que leve a dizerem "Mas nunca é igual ao filme, Thiana". Para quem já viu muita adaptação sei bem disso, porém a curiosidade de imaginar o que será feito é que desperta tal reflexão por tiram fulano e ela não faz isso nesta parte.

Shailene Woodley (Tris Prior) encarnou a personagem e transmitiu muito bem a transformação de membro da Abnegação em uma da Audácia. Os conflitos que a personagem passa também foram bem trabalhados e só criaram mais expectativas para o que ainda há de vir. Podem chamar de exagero, mas ela deu um show, transmitiu exatamente o que imaginava ao ler.


Já Theo James (Quatro), foi uma das contratações mais questionada no filme pelo fato de ser bem diferente do que é narrado no livro e mesmo não aparentando, bem mais velho, 29 anos e muito bom de se olhar. Tendo lido o livro, vi que o mais importante foi mantido no personagem, a personalidade e atitudes, e essas foram as características que me cativaram na leitura. James ser bonito foi um belo bônus. 

Outra colocação importante é que mesmo tendo nomes de peso como Ashley Judd e Kate Winslet, as veteranas tiveram seu espaço, mas em momento algum roubam a cena. É visível que o mais importante é o que está lá no original e não ter ator bambambã que apaga o brilho de quem está chegando e tem bem maior relevância no enredo.

Cenários e figurinos foram bem trabalhados e com a sequência só tende a melhorar. O roteiro não exagerou na ação, focou na iniciação na nova facção, teve seu clímax, que será o foco do próximo filme, e para quem não leu os livros começaram a entender melhor toda a tensão que foi criada em Divergente. Como já sei de tudo o que vem por ai, não me incomodou e não teve nada que me deixasse curiosa no quesito o que será revelado. Mas para quem não leu pode ficar aquele ar de curiosidade sim. Cena no muro que o diga, o que tem lá fora? 

Cenas das simulações merecem destaque, bem feitas e sem comparações com que meu cérebro era capaz de imaginar.

A trilha sonora se encaixou perfeitamente, tanto a instrumental que deu toda uma excitação às cenas de ação, quanto às músicas vocais. Ao ouvir a trilha sem ver o filme fica meio estranho, mas depois de tudo encaixadinho faz sentido.  

Um ótimo trabalho com o roteiro, a direção agradou, mesmo achando que a visão de Burger é um pouco monótona, só que ele soube muito bem imaginar o que séria agradável ao público que já conhece a saga.

A participação da autora, Veronica Roth, na produção também é um fator positivo para que o caminho não se perca, até em uma cena ela participa.

A única coisa que senti fala foi que na minha sessão só tinha gente que não conhece os livros, com vergonha ou até mesmo dá melhor idade, então não tinha ninguém para gritar comigo, chamar o Quatro de gostoso. =/

20 abril 2014

Caixa de Correio #33



Confesso pequei.

 No domingo passado disse que entrei em deite literária, mas eu tive uma recaída. Mas a culpa não é toda a minha, entendam por quê.

Era um super desconto, quer dize R$2 não é muito, mas faz toda diferença. 

Por outro lado só comprei um então eis o culpado da minha recaída.  


Silo de Hugh Howey, primeiro livro de uma trilogia que me deixou bem curiosa depois da Semana Silo que a Intrínseca fez com os blogs parceiros. 

Prontinho só isso agora de dieta, até mês que vem por que está cheio de lançamentos que quero.

Beijos. 

17 abril 2014

Para Ouvir: Divergent (Original Motion Picture Soundtrack)


Hoje já está em todos os cinemas do Brasil o filme Divergente. A angustiante espera de ver tudo o que lemos nos livros nas telonas acabou, agora é a maratona assisti várias vezes e depois esperar o DVD para assistir mais ainda.

No Para Ouvir passado eu falei um pouco sobre a trilha score (instrumental) do filme que ficou muito boa, clique aqui para ler. Agora chegou a vez da soundtrack.

Esse CD foi tudo aquilo que eu não esperava. Basicamente achei que ia ter uma pegada bem indie, numa linha bem parecida com as trilhas de Crepúsculo e Jogos Vorazes, mas para ilustrar musicalmente o mundo ditopico criado por Veronica Roth, foi feito uma escolha bem mais moderna.

Em quanto Junkie XL e Hans Zimmer foram responsáveis pelo que ouvimos no score, na soundtrack o cara da vez é Randall Poster, que escolheu e supervisionou todo o trabalho feito na soundtrack.

As trilhas sonoras me servem de boas descobertas para cantores e bandas que até então não conhecia como foi o caso aqui de Zedd, Pia Mia e A$AP Rocky, esse último por sinal tem a música mais viciante do álbum. 

Ellie Goulding, que teve presença marcada no score, não podia faltar cantando de verdade. No CD convencional tem conta com três música, entre elas, Beating Heart escrita especialmente para o filme, e na deluxe mais uma.

Find You do DJ Zedd com participação de Matthew Koma e Miriam Bryant, virou single e ganhou clipe, assim como Beating Heart. 

Confira os clips: 

Find You - Zedd feat. Matthew Koma e Miriam Bryant


Ellie Goulding - Beating  Heart


15 abril 2014

Lendo e Resenhando: Profundamente Sua - Sylvia Day


Título: Profundamente Sua
Título Original: Reflected in You
Autor: Sylvia Day
Páginas: 250
Editora: Paralela
ISBN: 9788565530194
Ano: 2012

Atenção: Essa resenha pode conter spoiler caso não tenha lindo Toda Sua.

Segundo volume da série Crossfire, Profundamente Sua começa exatamente onde Toda Sua terminou. Após se depara com um circo dos horrores, ou do sexo, em sua sala de estar, Eva e Gideon foram fazer seu próprio circo na casa dele.

O primeiro livro já tinha me conquistado, mas Profundamente Sua me arrebatou e só tomei consciência disso quando li a última linha.

Gideon Cross, milionário, sex, dominador e muitas outras coisas, continua do mesmo jeito e cada vez melhor. O insaciável, continua sem quere se abrir com Eva e revelar o que tanto atormenta suas noites e isso começa a distanciá-los.

Eva já por outro lado entende o fato de ele não querer contar, afinal ela vivenciou um abuso durante a infância e sabe o quanto é difícil de por para fora, mas também sabe que o fato de Gideon manter-se calado vai os afastar cada vez mais.

Em Toda Sua vimos Corinne, ex-noiva de Gideon, retornar e querendo colocar as asinhas de fora, são sombras do passado voltam para atormentar nosso casal, essa ai é um pé no saco.

Crossfire continua quente, muito quente, e a criatividade de Sylvia Day para isso não caiu na mesmice. Até aventuras aéreas temos em Profundamente Sua. E para apimentar um ex de Eva, aparece cheio de amor e outras coisas mais.

Cary Taylor continua um superamigo, mesmo com suas indecisões e conflitos pessoais que aos poucos sabemos quais são. Outro personagem que adorei conhecer foi Victor, pai da Eva.

Os últimos capítulos são surpreendentes, principalmente o último, quem leu viu e quem vai ler verá. Foi o que tornou o livro perfeito e a pessoa aqui, toda emotiva, até se emocionar consegui.

Cinco estrelas e coração para Profundamente Sua.

Avaliação:




Série Crossfire:

1 – Toda Sua
2 – Profundamente Sua
3 – Para Sempre Sua

4 – Captivated By You (Não lançado)
5 – (Até o momento nada sobre o livro)



13 abril 2014

Caixa de Correio #32



Dois domingos seguidos e teve Caixa de Correio. Tem alguém descontrolado por aqui e essa é a minha deixa para entra mais uma vez na direta literária. Já com muitos livros acumulados para ler, alguns até já apagando a velinha de um ano.

Certo que a lista só faz crescer e tem uns dois que eu preciso MUITO, mas não tem jeito tenho que dá uma parada.

Mas vamos ao que interessa, o que tem de novo na minha estante.

Antes vejam algumas coisinhas que ganhei no encontro Convergente que rolou na Saraiva do Salvador Shopping.


Agora os livros.

Dá série "eu amo a autora e preciso ter", comprei A Garota Que Você Deixou Para Trás. Jojo Moyes é minha queridinha e depois de muito adiar finalmente comprei o meu.


Entre o Agora e o Sempre de J.A. Redmerski também era outro que tinha que ter. Amei o primeiro livro, que já estava de bom tamanho, porém ela resolveu esticar mais um pouquinho da estória.

E agora essa coluna entra em hiatus, ainda não estabeleci o período da dieta literária, mas com Belo Casamento, Um Caso Perdido e A Escolha vindo por ai talvez não dure tanto. 

09 abril 2014

Lendo e Resenhando: Cinquenta Tons de Cinza - E.L. James


Título: Cinquenta Tons de Cinza
Título Original: Fifty Shades of Grey
Autor: E. L. James
Páginas: 480
Editora: Intrínseca
ISBN: 9788580572186
Ano: 2012

Atenção: Livro de conteúdo adulto.

Fica até cansativo dizer do que se trata esse livro, por isso não o farei se por a caso for um leitor que até hoje está imune a esse fenômeno editorial, por favor, coloque no Google o nome desse livro e descubra. Por isso essa resenha será mais como uma mini opinião.

Assim que foi lançado Cinquenta Tons de Cinza, aconteceu uma verdadeira explosão no mundo literário, no sentido quesito literatura erótica. É sempre importante ressalta que esses livros já estavam por ai, mas E. L. James conseguiu um feito que até então não se tinha, que foi acabar com o estigma que ninguém conversa abertamente sobre ele ou sai na rua exibindo seus exemplares.

Desculpe-me se posso está sendo “ignorante” a respeito, mas em meus poucos anos de vida nunca vi mulher alguma ou homem com um livro erótico no ônibus, antes do atendimento em um posto do SAC ou aguardando atendimento médico. Então sim, James abriu as portas para que as pessoas se desinibissem e sonhassem em cair aos pés de um Sr. Grey por ai.

O livro tem seus pesares, a escrita mediana para ruim, repetitiva e algumas vezes engraçada quando não era para serem, nós proporciona uma leitura leve para um livro que se enfocou na relação BDMS e se perdeu no desenrolar.

Por que Cinquenta Tons de Cinza cativou muitos? Foi criado um estereotipo do mocinho erótico, milionário, dominador, protetor e que na protagonista começar a encontrar elementos que mudam o que entende por relacionamentos. Christian Grey foi vendido como um milionário que gosta de relações de dominação e submissão, que na hora do sexo gosta de provocar dor a sua parceira, mas quando começamos a entender essa característica nele, Ana Steel faz com que ele também deseje mais do que isso em um relacionamento.

A mocinha virgem, que duvida da própria beleza, mas que atrai os corações de todos os caras, também se tornou em um elemento base para a maioria dos livros eróticos. E essas semelhanças fazem com que alguns leitores não gostem desses gêneros e até mesmo a forma como as cenas de sexo são descrita não agradem.

Por um todos Cinquenta Tons poderia ter sido muito melhor escrito e abordado, mas não podemos esquecer que é o primeiro livro da autora e que para quem nunca tinha escrito nada, ela deu um tapa na cara de muitos best sellers por ai e não se pode tirar o mérito que ela mudou o cenário literário erótico e até autores mais experientes do gêneros reconhecem isso. Quem leu os agradecimentos da autora Sylvia Day no livro Toda Sua, podem ver no sétimo paragrafo o reconhecimento disso.


Avaliação:


07 abril 2014

3ª Turnê Intrínseca - Salvador


No domingo (05/04) foi a vez de Salvador receber a 3ª edição da Turnê Intrínseca. O evento que foi realizado no teatro da Livraria Cultura do Salvador Shopping, repetiu a dose do ano passado e foi um sucesso. 

A primeira mudança e que foi muito bem recebida pelos leitores da editora foi a mudança de local, já que em 2013 o auditório da Livraria Saraiva, no mesmo shopping, não conseguiu comportar o público presente, mas mesmo assim a capacidade máxima foi ultrapassada e alguns leitores tiveram que se contentar com o chão. Sinceramente não sei como a Intrínseca vai gerencia esse total sucesso que é o evento para o próximo ano.

A receita foi a mesma. Linha do tempo, a apresentação dos lançamento e dos futuros lançamentos, e os sorteios.

Heloísa do marketing mais uma vez mediou o encontro e meus parabéns por que conter a garotada não é fácil.

Uma mudança, e para melhor, foi a distribuição de pulseiras com uma numeração que foi usada para o sorteio. Eram 600 senha e pela estimativa da própria editora, compareceram mais de 350 pessoas.   

Não deu todo mundo em uma foto só não.
Fonte: Instagram Editora Intrínseca
Muita gente mesmo.

Rick Riodan foi e sempre será o delírio dos adolescente. Acho que perdi um pouco da audição com tantos gritos.

A galera se exaltou também com A Culpa é das Estrelas. O trailer do filme que estreia dia 5 de junho, fez muita gente se emocionar, inclusive eu.  

E parece que até a sorte resolveu me agraciar esse ano. No sorteio meu número, 234, foi sorteado. Trouxe para casa o livro Eu Me Chamo Antonio.



Mas ninguém sai de mãos vazias por lá. O kit desse ano foi uma maletinha super recheada, com botons, marcadores, pin da turnê, adesivos, bloquinho de notas e folheto com os livros mais recente e futuros lançamentos.
        

Agora é ficar no aguarde de 2015 e aguenta coração.

06 abril 2014

Caixa de Correio #31


O domingo chegou e eu aqui completamente resfriada. Muita febre, mal estar e vontade de hibernar pelo resto da semana na minha cama. Literalmente da noite para o dia eu cai doente.

Mas mesmo com todo esse mal estar, nada me impediu de ir a 3ª Turnê Intrínseca ontem, aqui em Salvador, que por sinal foi bem produtiva. E mais uma vez meti o pé na jaca ou melhor dizendo a mão no bolso.

Correio muito recheado e vamos lá!

Essa semana ganhei um livro do tipo, caiu de paraquedas. Função CEO - A Descoberta do Prazer da Tatiana Amaral. Já tinha visto sobre o livro, que é um erótico e não faço ideia do que esperar dele. Só para lamentar o livro veio com um problema de impressão na página 49. =/
                       

Mimos da 3ª Turnê Intrínseca. Amanhã sai o poste sobre o evento.


E agora vamos para o momento "gastei fiquei feliz, mas depois descobrir que a estante não tem mais espaço".

Esse é desejadíssimo e precisava/pedia para ser comprado. Essa estrela me chamou muito a atenção e ao contrario de alguns amei a capa da edição brasileira. Real da Katy Evans, lançamento da Novo Século.








Da série Cretino Irresistível, que para mim é o melhor erótico (ai meu Deus, mas eu amo os da Sylvia Day) que já li, vai ficando bonitinha na estante. Paixão Sem Limites da Christina Lauren, que na verdade são duas pessoas.



Cidades de Papel está na lista a tempos, nem ia comprar de novo, mas acabei levando por que vai vira filme também e é melhor ler e reler logo.








O Códex dos Caçadores de Sombras, como fã de As Peças Infernais, não podia faltar e a edição só ficaria mais perfeita se fosse capa dura.

Acabou? Ufa! Sim. E acho que irei entra na dieta dos livros de novo. rsrsrsrs




03 abril 2014

Para Ouvir: Divergent (Original Motion Picture Score)


Olha só quem está de volta! É isso mesmo a coluna Para Ouvir, ressurgindo as cinzas. Adoro música, mas tem que ter 'aquela coisa' para me animar a escrever um breve comentário. E foi isso que aconteceu ao ouvir o Score do filme Divergente, que é baseado no livro homônimo escrito pela americana Veronica Roth. 

Score, nada mais é do que a trilha sonora instrumental do filme. Vai dizer que nunca assistiu a um longa e ficou curioso com aquela melodia que toca nas em alguma cena?

O mais interessante é que antes mesmo de assistir ao filme, que no Brasil só estreia de 17 de abril, a trilha instrumental já me chamou a atenção.

O score foi composto pelo músico e DJ holandês, Junkie XL, responsável pela trilha sonora de jogos como Need For Speed: Pro Street e God Of War 2 , com a supervisão do compositor que considero o mestre das trilhas sonoras, estou falando de Hans Zimmer, que em 1995 ganhou o Oscar pela trilha da animação O Rei Leão e do Globo de Ouro pela do filme Gladiador. 

Os dois compositores já trabalharam juntos, como nas scores de O Homem de Aço e Batman - O Cavalheiro das Trevas Ressurge. Os estilos são relativamente parecidos, mas como já conheço o trabalho de Hans Zimmer foi muito fácil seu toque. 

De Junkie XL sentimos uma levíssima batida eletrônica, já de Zimmer, temos o uso de instrumentos de metais, coro e a orquestra. 

Outro ponto que devemos considera e bastante é a cantora britânica Ellie Goulding, que tem quatro músicas na soundtrack, a trilha com estamos acostumados a ouvir. A voz da cantora foi usada em quatro faixas do score, ela não canta, mais ou menos, cantarola em compasso com a melodia e ficou com uma ótima sonoridade.

Com 21 canções Divergent (Original Motion Picture Score) permiti que o ouvinte goste dela antes mesmo de imaginar em que cenas suas faixas se encaixam, para quem leu o livro dá até para fazer um filminho na cabeça e imagina a música tocando.

Deixo os destaque para as quatro faixas com participação da Ellie Goulding (Tris,Choosing Dauntless, Capture The Flag e Sacrifice) e outras como Faction Before Blood, Dauntless Attack e A Friend.



P.S. Os nomes das músicas tem tudo a ver com o filme.

01 abril 2014

Lendo e Resenhando: Uma Curva na Estrada - Nicholas Sparks


Título: Uma Curva na Estrada
Título Original: A Bend In The Road
Autor: Nicholas Sparks
Páginas: 304
Editora: Arqueiro
ISBN: 9788580411157
Ano: 2013

O subxerifi Miles Ryan perdeu o grande amor de sua vida e mãe de seu filho, Jonah. Missy uma noite saiu para correr, mas não voltou, o pior tinha acontecido. Vítima de um atropelamento, as investigações nada revelaram e o caso foi esquecido, porém Miles não.

Dois anos depois, o desejo de justiça e de encontrar o assassino de sua esposa ainda é vivido. Mas é tempo de recomeçar e então ele conhece Sarah, professora de seu filho. Logo os dois estão completamente apaixonados, só que um segredo pode acabar com tudo.

Uma Curva na Estada tem a receita que adoro. Amor, tragédia e uma criança fofa. Adoro livros que tem uma personagem infantil que é puro amo e Jonah é tudo isso, além do fato de ter perdido a mãe muito cedo e as lembranças da figura materna não fazerem parte de sua vida, dá ao garoto uma aura de ternura sem igual.

O que mais gostei foi ver as transformações que o amor faz na vida das pessoas. Miles e Jonah sofre uma mudança com a chegada de Sarah, que fazem os anos de tristeza e solidão serem amenizado e a perspectiva de uma nova vida e de um futuro mais feliz cada vez mais presente.

O livro é narrado de duas maneiras, em terceira relatando os acontecimentos com os diversos personagens e em primeira por um personagem que não sabemos quem é, mas sabe de muitas coisas sobre a morte de Missy Ryan. Esse personagem misterioso só serve para nós deixa a cada página mais intrigado com suas revelações.

Muitas criticam a escrita do Sparks, por sempre ter a mesma receita. Para alguns, isso funciona e outros já ficaram saturados disso. Eu particularmente adoro cada vez mais, apesar da mesma receita sempre sou pega de surpresa e me surpreendo com o desenrola de suas histórias.

Tudo o que imaginei para o segredo, não foi o que pensei. Sim, Sparks me surpreendeu. A dinâmica do livro foi maravilhosa, porém em algum momento quando alguns esclarecimentos sobre a morte de Missy começam a ser feitas, o livro desanimou um pouco. Apesar de essencial, poderia ter sido resumido.

Mais uma vez Nicholas Sparks me deixou apaixonada por mais um de seus livros.


Avaliação: